terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Burning Fingers : Dark Souls

Terça voltou cambada! E como já é sabido da galerinha, Burning Fingers tá de volta. Hoje, para a tristeza do histórico escolar de vocês, trarei o jogo que ressuscitou a dificuldade hardcore para os Triplo A ( jogos de alto orçamento), Dark Souls




Dark Souls é um action RPG lançado em Outubro de 2012. Para os juvenis, que não estão acostumados com as siglas, um action RPG significa que o estilo de jogo se desenvolve de forma fluida, com livre movimentação dos personagens durante e após um combate, contendo elementos de RPG clássico como: subir de level, melhorar habilidades, força de armas, níveis de armaduras, entre vários outros. Desenvolvido pela Namco Bandai Games como sucessor espiritual de Demon's Souls, esse que era exclusivo dos sonystas, detentores de um PS3, Dark Souls traz o mesmo ar sombrio e jogabilidade filho de uma mulher que vendia seus dotes corporais por recursos financeiros.





O enredo tem início com a primeira, e uma das poucas, cut-scenes do jogo. O mundo era vazio, não existia o Tempo, logo não existia a vida. A única "coisa" que habitava esse mundo eram os Dragões Eternos. De repente surge o Fogo, e com ele as almas dos Lordes. O Fogo representa a vida no mundo de Dark Souls, e com ele toda a dualidade do mundo: vida e morte, corpo e alma, ser e não ser. A alma dos Lordes foram dadas a 4 seres. Esses Seres podem ser interpretados como as divindades dessa nova Era. Por que que eu falei "podem ser"? É aqui que o fans vão se dividir. A história de Dark Souls não é contada bunitinha como eu escrevi aqui. Para o jogador mergulhar nesse mundo ele deve prestar atenção nos poucos diálogos que existem e ler as descrições de seus itens durante o jogo. Mesmo com todo o cuidado o enredo ainda precisará de muita interpretação dos jogadores. Vou deixar o vídeo da introdução abaixo para os entendidos nus inglês da vida, mas um dia vou fazer uma analise em vídeo/áudio para vocês. Quem sabe...





Você começa o jogo como um Undead. Lembra no paragrafo anterior que eu mencionei que a história é dividido em eras? Então, logo na introdução você já entende que a Era do Fogo está acabando, e com o Fogo, esvaísse a alma. Sem alma as pessoas perdem a razão e a memória, sendo condenadas a vagar até o Fim do Tempo, se alimentando da alma dos vivos. Essa é conhecida como a maldição da Dark Soul. Por algum motivo você ainda é lucido, e após ser ajudado a sair da prisão, onde estava, sua jornada começa.

O protagonista não fala em momento algum do jogo, o máximo que vocês irão escutar é um gemido de dor quando morrerem, e acreditem, vocês vão escutar essa p**** para caramba. A interação, do personagem principal com o mundo a sua volta, é sempre dada por monólogos de outros personagens NPC (personagens não jogáveis - tradução livre). O silencio é um fator muito marcante tanto no personagem quanto na trilha sonora. Não há manifestação da trilha sonora durante o jogo, exceto quando enfrentando um chefe. Esse estilo lembrará os saudosista de títulos como: Resident Evil, Silent Hills, Alone in the Dark; mais marcante em jogos Survivor Horror.

A ambientação desse jogo merece um paragrafo a parte. Que foda cara! O ambiente traz um sensação de solidadão e pequinesa do personagem. O mundo está decadente, a Era do Fogo está acabando, e você consegue ver isso em cada aspecto do local, seja nas profundezas do mundo, nos grandes calabouços, nos enormes salões; toda a arquitetura gótica, de quase todos os locais, consegue realmente oprimir o jogador. Tons cinzas e escuros prevalecem em quase todos os cenários. Altamente recomendado parar em cada cenário e enxergar suas peculiaridades.





O que faz dessa maravilha em forma de pixels ser tão escrota com os jogadores? Três fatores surgem em minha mente : 1° os inimigos ressuscitam cada vez que você toca o check point; 2° você possui um número, sempre, contado de poções de cura que só retornam quando você toca o check point; 3° os Chefes são uns demônios enormes, com lamina, martelo, marreta, cerrote, dente, o diabo pra te f****. Cara, qualquer errinho, por menor que seja, com um Chefe, ou mesmo com uma criatura comum, você vai se arrebentar muito maluco!





O texto já tá ficando enorme, então é melhor chamarmos os teletubes, mas antes de irmos, o que mais posso dizer desse jogo que já joguei tanto e considero pacas?! Dark Souls é difícil prà caramba e digno da nossa medalha Burning Fingers. O jogo é um mundo aberto enorme que fará jogadores de primeira viagem, bebedores de leito com pera e ovomaltino, evitar encara-lo logo de cara. É bastante comum ficar perdido nesse ambiente Xigante. Sua história confusa e misteriosa e seus segredos fazem desse jogo imortal... até você quebrar o disco em 18 pequeninos caquinhos. Não pode faltar na prateleira de um PS3, Xbox360 ou PC.


Nota : 4,8 bolhas nos dedos. Confesso que até hoje to perdidão na história.



Um comentário: