quarta-feira, 10 de junho de 2015

Acervo Pessoal: The Witcher 3: Wild Hunt

Como prometido eu trago essa semana no acervo o jogo com maior hype ja visto para essa geração(Pelo menos eu acho). Trago a vocês, TW3:Wild Hunt




Bom, começando como sempre pela história. Infelizmente eu nunca sequer toquei em algo relacionado a Witcher, então fiquei mais perdido que cego em tiroteio de cegos. Mas a história desse Witcher te coloca novamente no controle de Geralt de Rivia, um Witcher,se pa o melhor de todos(Ou se quiser ser bem BR, um bruxo).

A missão de Geralt no TW 3 é ir atrás de Ciri, que está fugindo da Wild Hunt, ou no Hue Hue PT-BR, a Caçada Selvagem. 

E..bem...O resumo é isso...não tenho muito o que falar pois ainda não cheguei nem na metade do jogo, e é difícil falar em história quando algumas missões secundarias se transformam em histórias por si sós. Essa é a grandeza desse jogo. um jogo onde missões secundarias, caçadas, que nada têm a ver com a história principal conseguem te prender por horas.

O combate no jogo é bem fluido, se você for um bom jogador você pode ir de frente contra inimigos mais fortes e sair ileso. Para te ajudar nos combates você pode fazer óleos, poções, bombas, virotes para sua besta, tudo que puder para te dar aquela ajuda a mais no combate. Você pode pesquisar sobre os monstros, descobrir suas fraquezas e usar os óleos e sinais certos para dar mais dano.

Em questão de mundo aberto, o jogo te da 2 áreas principais para "brincar", e você vai perder tempo para ca****** nelas, os mapas são gigantes, maiores que eu pensava. O melhor de tudo, os mapas não são vazios, cada parte do mapa tem algo novo para ser descoberto, alguma quest secundária que você pode acabar esbarrando pelo caminho sem querer, tudo isso sem uma tela de loading sequer, você carrega o mapa ao entrar no jogo e só da load, ao carregar outro save ou ir para o outro mapa(Que também é enorme). 

As escolhas que você faz no jogo te afetam imediatamente, no futuro próximo e lá na frente, diferente de Mass Effect onde ser paragon é o caminho a seguir. Em TW3 não existe Paragon ou Renegade, Certo ou Errado, existe escolhas, escolhas duras, e você tem que aprender conviver com elas.

Fazer contratos é algo simplesmente f***, você tem que usar todos os sentidos de bruxo de Geralt para achar pistas que te levam cada vez mais perto do combate contra seu alvo, e cada descoberta te deixa mais empolgado para achar e finalizar a criatura.

Infelizmente o jogo não é perfeito. Pelo menos no PS4( e para mim ) você tem queda de FPS frequentes, texturas brotando do nada, pessoas não querendo falar com você e etc. Claro, é um jogo gigante, é normal ter bugs. E nenhum desses bugs foi algo que quebrou o jogo, mas é algo para apontar.

Pessoalmente, eu acho que uma das maiores qualidades do jogo, sua grandeza,é tambem sua maldição. Não entendam mal, as vezes eu me perco tanto nesse mar de side quests e contratos e etc, que me da uma p*** preguiça de jogar. Ja foram 4 dias de jogo, talvez 5. Ja batendo o meu gameplay de Dragon Age: Inquisition. Eu sei que isso é um resumo bem básico sobre o gameplay, mas não tem como explicar, TW3 é um jogo que você tem jogar para crer e entender.

Os gráficos dos personagem estão perfeitos, e o gráfico no mundo em geral também não está nada mal. A trilha sonora é uma das melhores que ja ouvi, tanto em batalha quanto em cidades e paisagens abertas. A dublagem também é algo a ser destacada, uma das melhores ja vistas em jogos, batendo as vezes a original.

The Witcher 3 é o que prometeram(pelo menos pra mim), um jogo longo, divertido, com escolhas difíceis e um mundo vivo. Não considero um jogo perfeito, mas é um daqueles que você considera uma obra-prima, e que vai ficar no pedestal para servir de exemplo por tempos.

Veredito Final:"Você é um bruxo Geralt"

Nenhum comentário:

Postar um comentário