quarta-feira, 16 de junho de 2010

Povo mau faxineiro – Política sempre imunda.

Dando um tempinho nos games, estou divulgando o texto de um amigo que achei bem bacana e de interesse geral. Na verdade é mais uma crítica a um tema sempre recorrente no nosso dia-a-dia, coisas que são sempre bom lembrar em épocas de eleição para não ficar com "mi-mi-mi" depois.

Sendo assim peço licença aos amigos gamers por fugir um pouco ao tema preponderante do nosso blog, espero não incomodar nossos leitores, e um bom dia à todos.

Povo mau faxineiro – Política sempre imunda.

Geralmente quando se fala nos problemas políticos do Brasil, credita-se quase sempre a culpa por tais problemas nos políticos, dizendo que estes são corruptos, ladrões, mentirosos, sem caráter e outros elogios mais que não convém lembrarmos. No entanto convido-os a fazer uma reflexão que muitos talvez já tenham se esquecido, ou que pelo menos fingem se esquecer.

 “Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição” (art.1º, parágrafo único da CF).
É fato explicito que não se faz necessário esconder mais, o de que nossa política é uma das piores do mundo, com os políticos mais bem pagos de todas as nações do planeta, e também, mais corruptos. Um contra-senso ridículo, mas evidente, temos auxilio terno, auxilio gravata, auxilio cueca (muito utilizada por alguns deles), auxilio castelo, auxilio empregada domestica, auxilio viajem da família, auxilio curso (como iludir, mentir, roubar, rezar depois, bloquear poupança e conseguir ser reeleito, ser popular mesmo tendo metade do PIB do país aplicado na Suíça) entre alguns outros auxílios que talvez eu tenha me esquecido.
Bom, até aqui nada de novo, assunto ultrapassado, política? Qual o objetivo em se falar em política? Afinal de contas estamos em tempos de Copa do Mundo, Brasil rumo ao hexa. Realmente, Brasil rumo ao hexa, hexa da falta de investimentos no ensino público, rumo ao hexa do baixo nível cultural, rumo ao hexa do total descaso com a saúde pública, ontem, morreram dois na fila do hospital, outro teve o privilégio de morrer na maca ainda no corredor, mas esse teve sorte, não conta.
E o povo? Políticos são seres sempre criticáveis, sempre envolvidos em escândalos que geram noticias “mídiacionalissimas”, pessoas públicas, caras conhecidas, mas e o povo? Aquele que tem o tal do Poder Constituinte aquele que sempre esta no anonimato ou tratado em coletivo, não tem nenhuma responsabilidade nos problemas políticos da nação? Não deve nunca ser criticado? É sempre inocente? O mais atingido?
Masoquismo é uma tendência ou prática parafílica, pela qual uma pessoa busca prazer ao sentir dor ou imaginar que a sente.
Preciso explicar onde a definição acima encaixa-se no assunto?
 O povo deve ser encarado como sendo talvez o maior responsável pela nossa esmerada política, pois, cabe ao “povo” com suas milhões de bocas e quase infinitos dedinhos apertar o botãozinho da urna com o cérebro e não com o estomago ou com o bolso, se temos a casa cheia de terra e lixo é por que não sabemos, ou não queremos limpa-la, o lixo permanece onde é deixado, principio da inércia dos seres inanimados.

Nesse sentido, pode surgir aqueles que saem em defesa do povo, dizendo que este não tem a orientação devida para julgar esse ou aquele político, que o povo muitas vezes é enganado pela doce lábia partidária ou, comprado pela pura necessidade de comer, vestir, ou até mesmo, alcançar algum cargo dentro da prefeitura da cidade, do palácio do rei, da cúpula do ET, que seja, o fato é que nem sempre isso ocorre. Exemplo, não faz muito tempo, um bom lutador de caratê assumiu a presidência da República, referido lutador, na intenção de dar um ippon na inflação, confiscou a poupança de todo o povo. Espanta saber que referido lutador já figura entre os “representantes eleitos pelo mesmo povo que teve sua poupança confiscada?” É, talvez o povo não tenha uma memória muito boa, dizem que peixe faz bem.
De tal forma, me arrisco a dizer, que se vivemos sobre domínio de reis tão iluminados pelo deus da corrupção perfeita, com seus bastões de ouro comprados pelo dinheiro que ia  para a Escola da esquina, ou para o Postinho de Saúde da rua de baixo, é por que temos sérias tendência masoquistas, sugiro uma sessão coletiva com o psicólogo da serenidade política.
Devemos nos lembrar que os políticos são por nós eleitos, para nos representar e lutar por nossos interesses, e que temos uma coisinha já saturada, poder de escolha, temos as armas e as munições, nos falta a vontade de engata-las e dispara-las, cabe a mim, a você, a todos nós assumirmos nossa responsabilidade em prol do nosso próprio bem, pois acredite, ninguém o fará por nós.

Atillas Felipe Pires
16/06/2010

2 comentários:

  1. Concordo totalmente com o texto, sem tirar nem por nada. A corrupção é um fato que deixamos que se espalhasse como uma doença contagiosa. Tão contagiosa que corrompe até os que se dizem "Honestos". Eu sempre vou ter esperanças de que que um dia o povo do nosso Brasilba
    ronil pare de ser hipócrita e moralista e passe a ser um povo ético! Bom, esse foi um dos melhores posts que ja vi nesse blog, espero que os "gamers" que também são BRASILEIROS, leiam e reflitam. Obrigado!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom MESMO o post!! Parabêns ao autor e a você Thiago que compartilhou o mesmo com todos nós!

    ResponderExcluir